10 de abr de 2008

Caso Isabella

Estou há algum tempo querendo escrever sobre a cobertura da mídia em torno do caso Isabella (aquele da menina que caiu ou foi atirada pela janela). Mais uma vez, a imprensa está pensando mais na audiência do que na ética, fazendo dessa cobertura um evento lamentável de como NÃO se deve trabalhar. Não sei se o casal é culpado ou inocente, mas esse não é o caso; o problema é que, sem prova alguma, já o crucificaram de tal maneira que, se os dois forem inocentes, estarão marcados para sempre de qualquer forma. Essa cobertura me lembra muito o caso da Escola Base e o da mãe "monstro da mamadeira”, ambos com pré-julgamentos da imprensa e conseqüências horríveis para inocentes. O que mais me assusta nisso tudo é o fato de que a mídia não aprendeu com seus erros e torna a repeti-los sempre que possível. Existem inúmeros exemplos nas coberturas de cunho político: a Veja e a Carta Capital, por exemplo, publicam notícias e matérias sem o mínimo de investigação jornalística, desde que sejam a favor ou contra determinadas pessoas/partidos. No caso específico do assassinato da Isabella, posso citar rapidamente dois exemplos da péssima cobertura dada:

- as tais manchas de sangue no carro do casal. Segundo a imprensa, HAVIA marcas de sangue no carro, e a perícia ia investigar de quem eram. Pois bem, depois de um exame, concluíram que não havia mancha nenhuma no veículo! É claro que isso foi bem menos noticiado do que a primeira versão – a retratação é sempre menor, parece ser uma regra do meio. Tudo bem que provavelmente os repórteres receberam a informação do sangue a partir do delegado (que é outro caso sério), mas de qualquer forma não havia nenhuma evidência provada de que havia sangue mesmo para que essa informação fosse veiculada. Não esperaram pelo resultado dos exames, publicaram a notícia antes. Claro, quem publica antes ganha mais audiência, vende mais, tem mais Ibope, logo vamos publicar. Se estiver errado, depois a gente corrige. E ainda tem gente que acredita que havia sangue no carro, graças à dimensão da divulgação da notícia errada.

- Ontem, no Bom Dia Brasil, da Rede Globo (isso provavelmente aconteceu em outros telejornais também, mas eu só vi nesse), ao falar do caso pela enésima vez, uma repórter acrescentou que havia faltado luz das 21h à 1h na delegacia onde a madrasta de Isabella está presa. Fim da reportagem. Sim, e daí, qual é a relevância disso pra qualquer coisa, a não ser encher lingüiça em uma pauta que está sem assunto? E é justamente pela falta de assunto que inúmeras besteiras sobre o "caso Isabella, o assassinato que comoveu o país" vão ao ar, algumas inocentes – como essa –, mas outras que podem prejudicar inclusive o andamento das investigações – coisas do tipo “um vizinho ouviu tal coisa” ou, como saiu hoje, “a casa da frente do prédio de Isabella foi invadida no mesmo dia do assassinato” (já desmentido, aparentemente).

Eu poderia escrever muito mais, mas prefiro deixar os links abaixo para que vocês leiam e reflitam, pois muito já foi (bem) escrito sobre essa cobertura estapafúrdia. Por favor, leiam. De novo: não estou dizendo que eles sejam inocentes, apenas que eles já foram condenados, com a ajuda da nossa bela imprensa.

Link 1

Link 2

Link 3

Link 4

3 comentários:

André disse...

Se existem novecentas linhas de investigação, e UMA delas envolve pais ou familiares, a imprensa vai se focar nessa, mesmo que seja a mais improvável.

E o pior é que isso não é de agora. E não vai acabar agora.

Leo disse...

Cara, me OBRIGO a fazer um comentário sobre essa "novela"...

Todos os dias quando acordo (parafraseando o teu "sósia"), tenho o hábito de ligar a TV. Assim o som dela me faz levantar mais rápido da cama, pois não sou um cara que gosta de, digamos, acordar cedo. Enfim, isso tem funcionado, pois não tenho me atrasado mais para os meus compromissos.

Dito isto, adivinhem que maldita notícia está sendo transmitida bem na hora?? BINGO.

É impressionante! Eu não aguento mais ouvir falar deste caso. Essa semana eles falaram dessa novela TODOS os dias. Tudo bem, é uma história triste, a guriazinha não merecia isso e tal, mas de histórias tristes o mundo tá cheio, todos os dias! Custa variar a programação um pouco?

Lamentável. Eu odeio a Globo.

Thiago F.B disse...

kra...li todos.
mas o final do guilherme fiuza diz tudo!!!
falooooow

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.