31 de out de 2008

Pontos corridos

Quando o Campeonato Brasileiro começou a ser disputado em pontos corridos, em vez do antes tradicional os-oito-melhores-disputam-um-mata-mata, muito se falou. Alguns criticaram, outros apoiaram. Até hoje se fala muito se essa é realmente a melhor fórmula para um campeonato no Brasil.

Eu, particularmente, prefiro o modo antigo: as equipes se enfrentam em turno e returno e, após o término das partidas, as oito melhores vão para as quartas-de-final, até o campeão ser conhecido em dois jogos finais de parar o país. Porém, não dá para negar que, em 2008, estamos acompanhando o Campeonato Brasileiro mais equilibrado de todos; temos cinco equipes com chances reais de ser o campeão, isso a seis rodadas do término da competição. É claro que por esse motivo os entusiastas dos pontos corridos estão gritando Brasil afora: "Viu, eu sempre disse que esse era a melhor forma de disputa!".

Basta ver TODAS as outras edições para esmagar esse argumento. Desde que começou a ser disputado, o Brasileirão de pontos corridos tem dado mais sono do que emoção no torcedor, que tem que assistir, faltando umas dez rodadas para acabar o campeonato, dois times na faixa intermediária jogarem entre si por absolutamente nada, visto que não têm pontos suficientes para entrar na Libertadores, mas possuem pontos de sobra para já se garantir na primeira divisão. Tem a Sul-Americana, claro, mas ninguém dá muita bola para ela mesmo, o que mais vale é a disputa de cima e a de baixo da tabela. Esses mesmos dois times, se disputassem o Campeonato "Old School", ainda teriam chances de chegar pelo menos em oitavo, o que faria o jogo ter grande importância.

Outro exemplo de jogos no final do campeonato: veja os casos de Vitória, Goiás, Coritiba, Botafogo e Internacional em 2008. Os cinco times não têm mais chances de ganhar o Campeonato, nem sequer de tentar a Libertadores. Porém, já estão com a vaga na Sul-Americana praticamente garantida, o que faz com que o Brasileiro já tenha perdido a graça para eles. Isso faz muita diferença em um confronto contra um time lá de baixo (que precisa ganhar para escapar do rebaixamento) e um lá de cima (que quer vencer o campeonato). Temos então a disputa entre um time que quer alguma coisa contra outro desmotivado por estar no meio da tabela. Se fosse no modelo antigo, TODOS os times ainda teriam algo a disputar, motivando a todos e tornando essas últimas rodadas empolgantes para todos SEMPRE, e não somente a cada seis anos. Sem contar que, se hoje houvesse o campeonato antigo, até o Sport (11º colocado), todos teriam chance de chegar à fase final.

Eu sei que muitos vão argumentar que a fórmula de pontos corridos é a mais justa, porque privilegia e equipe mais organizada, mais equilibrada, etc. e tal. Para isso, digo duas coisas: time campeão tem que saber jogar tanto pontos corridos quanto mata-mata, e por isso a fórmula antiga parece ser a ideal; e se fosse pela organização, como o Palmeiras, o Flamengo e o Grêmio estariam onde estão nesse ano?

8 comentários:

Kleiton disse...

"e se fosse pela organização, como o Palmeiras, o Flamengo e o Grêmio estariam onde estão nesse ano?"

Sendo menos desorganizados que os demais.

Mas ainda assim, acho a fórmula do mata-mata mais interessante.

Rodrigo Cardia disse...

Já eu prefiro a fórmula atual, justamente por ser "mais justa". Mesmo que a anterior tenha "favorecido" meu time: em 1996, o Grêmio ficou em 6º na primeira fase e acabou campeão. Mas isso porque quando garantiu a vaga, com três rodadas de antecipação, brigava pela liderança e decidiu escalar o "banguzinho", não tinha porque gastar fôlego. Ou, como sempre se dizia, "jogou com o regulamento debaixo do braço". Na fórmula atual, para ser campeão é preciso ser realmente o melhor time. E para quem quer ser campeão, todo jogo torna-se importante - o que é mais rentável ao clube, que tem casa cheia com mais regularidade.
Claro que há alguns equívocos, como o excesso de vagas à Sul-Americana: acho que deveriam se classificar para ela os times entre 5º e 8º lugar (assim teríamos a velha "briga para ficar entre os 8 primeiros" que havia antigamente).
Mas, para voltarmos a ter as finais (que realmente param o país), o ideal não seria a fórmula de 8 times se classificando para as quartas-de-final, e sim, fazer o confronto entre o campeão do 1º turno e o campeão do 2º - o que para mim seria ótimo, meu time já estaria lá...

Leandro Corrêa disse...

Mas aí é nivelar o campeonato por baixo. Se um time chega no final do ano sem chances de ser campeão nem de conquistar vaga na Libertadores, e sem também correr risco de cair pra 2a divisão, é porque sua campanha durante o ano inteiro foi medíocre.
Esse time tem mais é que ficar de fora de disputa mesmo, e começar a se preparar para o próximo ano o quanto antes. Pontos corridos é guerra: quem não avança pra cima dos outros é engolido por eles.

Leo disse...

O problema não é qual modo é o mais emocionante, e sim que a maioria dos campeonatos (sérios) de futebol no mundo é disputada em pontos corridos. Aliado a isso também é possivel alinhar os calendários da Europa e das Américas, para que as pessoas que ganham grana com transações de jogadores lucrem cada vez mais (o que eu acho errado).

De qualquer maneira, a única coisa que eu acho que podia ser implementada no Brasil na atual fórmula seria uma FINAL entre o vencedor do 1º turno contra o do 2º turno (como acontece na Argentina) e dessa forma ter uma "final" de campeonato.

Ana disse...

Não entendo muito de futebol, mas uma coisa eu sei bem: o Grêmio está em primeirão, tá, não sei até quando, mas o que importa é saber que o Internacional está muito longe na classificação para ser campeão! Tá em 8º né? Desculpe amor.... : )

Mario disse...

Pra quem não se importa com a Sulamericana sugiro:
http://www.youtube.com/watch?v=W1F_LIuxIe0

Rodrigo Cardia disse...

Assino embaixo do que escreveu o Leandro.

Thiago F.B disse...

Primeiro eu queria dizer que realmente acho a fórmula de pontos corridos a melhor para o brasileirão, só acho que o nosso calendário poderia ser um pouco mais organizado, principalmente no que se diz da janela de transferências que deixam os clubes brasileiros desprotegidos. Acho que deveria rolar algo como na europa, primeiro e segundo turno e os jogadores só poderiam sair no final de cada um dos turnos. Quanto aos times da zona intermediária jogarem por "nada" no final do ano, isso é um fato que poderia ser resolvido colocando os clássicos regionais para o final de cada turno!!! E se lembrar de antes, a essa hora 12 clubes já estariam de férias, no mínimo, e pela fórmula atual temos mais clubes envolvidos em algo até o fim da temporada... Pensem bem!!!

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.