30 de jun de 2007

Músicas do mês

Essa edição do Músicas do Mês está dividida em primeira e segunda quinzena de junho:

Legião Urbana - Mil Pedaços - Não, eu não quero me suicidar. Mas a triste beleza da letra, aliada a uma melodia e instrumental econômicos e uma interpretação de arrepiar de Renato Russo fazem dessa música uma pequena obra de arte. Fazendo parte do último álbum antes da morte de seu líder - A Tempestade, de 1996 -, Mil Pedaços tem a mesma aura das outras músicas desse disquinho: a presença constante da melancolia, da desesperança, da entrega às coisas da vida, mas com um realismo impressionante.

Los Hermanos - Casa Pré-Fabricada - Instrumental meio Weezer, cadência serena, grande letra, essa música foi o tema da minha segunda quinzena de junho. Como diz o morto de fome, "nada como um dia após o outro":

Abre os teus armários, eu estou a te esperar
Para ver deitar o sol sobre os teus braços, castos
Cobre a culpa vã, até amanhã eu vou ficar
E fazer do teu sorriso um abrigo

Canta que é no canto que eu vou chegar
Canta o teu encanto que é pra me encantar
Canta para mim, qualquer coisa assim sobre você
Que explique a minha paz
Tristeza nunca mais

Mais vale o meu pranto que esse canto em solidão
Nessa espera o mundo gira em linhas tortas
Abre essa janela, a primavera quer entrar
Pra fazer da nossa voz uma só nota

Canto que é de canto que eu vou chegar
Canto e toco um tanto que é pra te encantar
Canto para mim qualquer coisa assim sobre você
Que explique a minha paz
Tristeza nunca mais...

2 comentários:

luciano disse...

O q q houve? Comeu merda? Como tu me chama a tempestade de "disquinho"? Disco da desesperança?
Putz, para mim é o melhor disco de rock do brasil e um dos melhores da legião. Nele tá retratado (acho que muito bem retratado) como o renato recebeu e respondeu a notícia, a drástica notícia. O impacto fica visível nas primeiras faixas, como Longe do Meu Lado e, principalmente, Via Lactea. Mas o melhor de tudo vem com o restabelecimento do autor, quando parece que consegue retomar as rédeas, começando em Música Ambiente. "E quando eu for embora
Não, não chore por mim." A partir de então, vem as maiores como que as grandes descobertas da vida, possíveis só com a proximidade do fim. O valor da amizade, o cuidade em manter uma boa relação com o pai, a segurança que se tem com os grandes amigos e com a família e sem nunca esquecer uma visão mais holística das coisas. Acho q tu acha o mesmo, talvez eu q não tenha tido capacidade de sacar uma irônia...

Eu mesmo disse...

Disquinho é uma forma carinhosa de tratar esse baita álbum. Eu precisava de um sinônimo e usei esse, até porque sempre me lembro dele com muito carinho. Só isso. Sem ironia, sem desprezo, nem nada.

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.