4 de jan de 2007

Mistérios das relações humanas

Voltei, depois de umas pequenas "férias", e começo falando sobre alguns mistérios - ao menos para mim - das relações humanas. Coisas aparentemente banais, que acontecem a todo momento, mas que eu não consigo entender. Vamos a eles:

Situação 1: Você está caminhando pela rua quando, de repente, percebe que um cidadão vem em sua direção. Eis que você se prepara para dar aquele passinho esperto para a direita para desviar do transeunte, quando vê que o mesmo vai dar um passo para a esquerda, o que vai fazer com que vocês se batam. Então imediatamente você dá um passo para a esquerda para desviar do sujeito, que acaba dando um passo para a direita e, como resultado, vocês dois trombam. Por que diabos isso acontece? Por que quando vemos alguém vindo na nossa direção somos atraídos, como um imã, na sua direção, até quase atropelá-lo?

Situação 2: Você está conversando um assunto qualquer com alguém. De repente, é interrompido por alguém ou alguma coisa. Quando vai retomar a conversa de onde parou, é acometido de uma amnésia súbita que o faz esquecer completamente sobre o que falava. O pior: a pessoa (ou as pessoas) com quem você conversava também não sabe dizer qual era o assunto tratado! Mas por que diabos isso acontece? A outra pessoa esquecer até poderia ser explicável pelo fato dela não estar prestando atenção em você, mas por que você, que era quem estava falando e, portanto, o maior interessado na história, não tem a menor idéia do que falava há poucos segundos atrás? Seria o Alzheimer?

Situação 3: Alguém boceja. Imediatamente, como num efeito dominó, todas as pessoas que viram o bocejo começam a bocejar (talvez baste ler isso para bocejar também). Deus, por quê? Bocejo é contagioso?

Situação 4: Dois amigos estão caminhando na rua. Um vira para o outro, do nada, e pergunta: "o quê?". O outro responde: "o que o quê?", ao que ouve como resposta: "o que foi que você falou?". "Nada", responde ele, com aquela expressão de quem não tem a menor idéia do que está acontecendo. E não tem mesmo, porque ele não havia falado nada; seu único som emitido veio diretamente da cabeça do infeliz que o imaginou. Equacionando, fica assim: ninguém falou nada, uma pessoa escutou algo. Perfeito como 1+1=3.

Bem, essas são as situações estranhas que passam pela minha cabeça agora. Se vocês lembrarem de alguma outra, sintam-se livres para falar. Quanto às possíveis razões para elas existirem, eu tenho uma boa: Deus não criou o homem a sua imagem e semelhança, mas sim à imagem e semelhança de um programa da Microsoft. Logo, também temos nossos bugs.

5 comentários:

Rodrigo Cardia disse...

Já passei por cada uma destas situações... É de matar!

charles luciano disse...

Por quê quando a gente tá mais de mal com a vida, puto da cara, cara tri fechada e antipática, é que tem mais gente disposta a ser simpático, atenciosos e querer conversar. Até aquele q nunca te cumprimenta te dá um oi. (??????)

Deus disse...

Eu criei o homem à minha imagem e semelhança, sim !!!
Mas do que era mesmo que estavamos falando ???

Thiago disse...

bem...é por essas e outras que me convenço mais que vivemos em um programa chamado Matrix...agora...não lembro se ele é da Microsoft...ou se ele criou a Microsoft como sua imagem e semelhança...ehehehehehhe
mas que doideira...hehehehehehe
Abraço...>Falooooooooow.

Laura disse...

Só sei que a história do bocejo nem a ciência sabe explicar!
Coisas da vida...

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.