10 de ago de 2007

Ser ou não ser... professor

Não sei se vou ser professor. Não sei se é isso que eu quero. Só sei que faço um curso de licenciatura e que preciso começar a estagiar em sala de aula a partir desse semestre. Sei também da situação da educação escolar no país: professores mal pagos e sem motivação, alunos mal-educados e malcriados sem respeito algum pelos mestres e pais irresponsáveis e que acham que a escola deve educar os seus filhos.

Tudo isso - mais as notícias, cada vez mais freqüentes, de episódios violentos em sala de aula, muitas vezes envolvendo inclusive professores -, me deixa com um pé atrás, mas com coragem e um pouco de idealismo fui essa semana atrás de uma escola para eu fazer o estágio obrigatório. Porém, além do fato de eu descobrir que a gente tem direito a um seguro (?) para dar aula, duas outras experiências me fizeram ficar não com um, mas com os dois pés atrás:

- em uma das escolas, testemunhei uma professora dando aula enquanto um aluno arremessava uma bolinha de papel na direção de um colega seu, que com um taco de baseball (?) tentava acertar o projétil;

- em outra escola - a que eu vou lecionar, inclusive -, tive que esperar para conversar com a orientadora pedagógica. Isso porque ela estava ocupada conversando com pais e alunas, devido a um acontecimento do dia anterior: umas oito alunas de uns doze, treze anos se juntaram para dar um pau em uma coleguinha, numa briga motivada por causa de um guri por quem uma delas estava apaixonada.

Enfim, esse post é só para vocês me desejarem sorte, e também para vocês já saberem o que aconteceu caso o blog de repente pare de receber postagens...

11 comentários:

luciano disse...

Cara, não basta colocar o peso nas costas dos alunos. E o que essa merda que a filha-da-puta com buceta de borracha da vagabunda da governadora tá fazendo? Vai fazer da sala de aula um curral! E o que a merda dos intelectuais (tipo eu e tu) está fazendo? A mesma merda que a grande maioria dos intelectuais sempre fez: cruza os braços e reclama da vida! Se tu acha que a escola é uma coisa boa e necessária para a formação dos indivíduos, então vai mexer essa bunda gorda e, além daquilo que a gente tem que fazer em aula, vai se manifestar contra todos esses ataques ora velados ora intempestivos contra o ensino público. Não adianta, tudo que a gente quer de bom tem que ser conquistado, nem que seja com movimento - e mesmo um pouco de violência... abração meu bróder

Antonio Duarte disse...

Amigo, venho por meio desta te desejar sorte. Infelizmente, hoje em dia, isso se faz necessário, para nosso medo e desepero. Tive a oportunidade única de trabalhar durante 2 anos e meio em uma grande instituição de ensino médio de Porto Alegre, onde me deparei com situações iguais e piores do que estas. E, por incrível que pareça, foi lá que me decidi pelo magistério.
Válter, tu, eu e nossos colegas não somos melhores do que ninguém. Mas tenha ciência de que o mundo precisa de gente como nós, com coragem e vontade de enfrentar situações como essa. Por mais difícil que possa parecer agora,tenha em mente que a dignidade do teu trabalho és tu quem fazes.
Como dizem no teatro: merda pra ti!

Bruno disse...

AHHAAHHAHAHA
Isso me faz lembrar de hoje de manhã quando eu fui na escola pra acertar o meu estágio. Chegando lá, esperei a professora na biblioteca. Eis que dá o sinal do recreio e a biblioteca vira sala dos professores, devido ao mau cheiro na sala dos professores. Enquanto eu esperava a professora de história outros professores conversavam sobre uma certa turma de sétima série e como os meninos ficavam chamando todo mundo de cabeçudo, narigudo, orelhudo, que a mãe é uma vadia e o pai viado. Até que hoje uma guria começou a chorar depois de ouvir tantos "Cabeçuda" seguidos...
Engraçado pra quem vê de fora, trágico pra quem está em sala de aula.

Boa sorte pra nós!

Rodrigo Cardia disse...

Cara, toda a sorte do mundo para ti, pois realmente vais precisar...
No meu tempo de colégio, eu morria de pena dos meus professores. Afinal, aqueles bagunceiros do fundão só atrapalhavam a aula e os professores não podiam encostar um dedo neles. Eu, estressado que sou, certamente não me agüentaria e jogaria no mínimo um apagador na cabeça do bagunceiro. Mas como não pode... Eu seria demitido.
Até penso em dar aulas, caso seja preciso para sobreviver (pois o que eu quero mesmo é escrever livros). Mas em cursinhos ou, melhor ainda, em faculdade (se eu sobreviver aos mestrados e doutorados da vida). Dar aula em colégio... Só se me pagassem salário de jogador de futebol!

Abraços, e mais uma vez, toda a sorte do mundo... Se precisar encher a cara para desestressar, me chama! hehehe...

Murilo disse...

Cara, eu também quero ser professor... =\
Mas principalmente de aulas particulares, isso pode ser menos perigoso.
Abraço! E vê se faz contato ae!

André disse...

Se algum aluno encher demais o saco, avisa que a gente pega ele na saída.

Thiago F.B disse...

uahauahuahauh
legal os comentários do pessoal...
hehehe
boa sorte...mas nem esquenta antes de estar lá...deixa pra quando chegar a hora!!!!
E vai na boa que isso tudo passa rapido e quem sabe tu perceba aí uma vocação interessante...
Só por favor tenta fazer a aula interessante!!!! Afinal, é um público à ser conquistado...e isso a gente faz com humildade!!! Sei que tu vai tirar de letra...
abraço rapá...
Faloooooooow.

Anônimo disse...

Calma, vai dar tudo certo!
Tem que dar....
Laura

Kleiton disse...

Te fudeu. Podemos tentar fazer uma vaquinha pra te arranjar um colete à prova de balas.

Ou tu acha que só com sorte vai te safar?

Mesmo assim, bom estágio cara. Espero que tu te encontre bem dando aula, e qualquer coisa nos chama que a gente dá um pau em algum aluno ou professor mais charo.

Leo disse...

Duas palavras: "BOA" e "SORTE"! :)

Vais precisar! hehe

Marieta Marks Löw disse...

ahahaha, tá pensando que estagiar é fácil, é?

BOA SORTE!

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.