17 de set de 2007

MD Recomenda

Recebi na sexta-feira um e-mail de um grande amigo, Marcel Bittencourt (com quem tive a honra de tocar na banda Eu, o Zé e os Cara), com um texto de sua autoria a respeito de um assunto que ainda não havia sido abordado por aqui. Gostei tanto do escrito que resolvi compartilhá-lo com vocês, com a devida autorização do seu criador:

Será?

Ontem sofri um choque. Aconteceu uma daquelas clássicas cenas de cinema, onde um personagem fica parado, boquiaberto, chocado com uma cena trágica. Infelizmente existiam duas diferenças ali: a notícia era real e o personagem era eu. E você. E todos os brasileiros.

Entrei no supermercado e passei o olho no jornal, que estampava em letras garrafais: "CALHEIROS ABSOLVIDO". Não pude acreditar. Tentei ler de novo. E de novo. E mais uma vez, num último e inútil fio de esperança. Mas não, estava ali, estampado na capa de um jornal popular e escancaradamente exposto pra quem quisesse ver.

Isso me levou a fazer uma pergunta: Será?

Será que temos que passar por esse tipo de constrangimento? Primeiro, revistas de grande circulação denunciam o que todos já sabiam, só não tinham como provar. Depois, o Senado tem a capacidade de questionar se a seção deveria ser aberta. Lógico!!! Óbvio que tinha que ser aberta! Nós, eleitores, que teclamos "confirma" e botamos os senadores lá temos o direito de saber como se posicionam nossos senadores numa situação crítica e importante como essa. Depois decidem pela seção fechada, pela cortininha que esconde a obscenidade, pelo pano debaixo do qual são tomadas as decisões políticas desse país. E, por fim, resta a notícia a qual ninguém gostaria de ser obrigado a ler, ouvir, assistir, comentar e, principalmente, ser submetido: Ele foi absolvido.

Será que os senhores que compõem o senado federal acham mesmo normal uma pensão alimentícia de quase R$20.000,00?

Será que os senhores que compõem o senado federal acreditam que ele é mesmo inocente?

Será que os senhores que compõem o senado federal não vêem nada de anormal no crescimento do patrimônio pessoal do senhor Renan Calheiros?

Será que os senhores que compõem o senado federal pensam que daqui para frente aquela instituição terá algum respeito do cidadão brasileiro?

A resposta para todas as perguntas até aqui expostas é NÃO!

O que aconteceu naquela seção fechada, gravada para arquivo histórico, mas que ninguém tem acesso, foi a celebração da corrupção, do jeitinho brasileiro, da total desconsideração pelas palavras "respeito" e "ética". Imperou o poder velado de uma imensa rede de rabos presos.

A seção fechada foi para que os eleitores não pudessem reconhecer os cúmplices de Renan. E essa decisão foi talvez a que mais machucou o povo brasileiro. Povo honesto e lutador, mas hoje indignado com a decisão, impotente diante do absurdo e humilhado pelas mesmas pessoas a quem confiou um mandato de oito anos.

E, não bastasse tudo isso, veio o "grand finale", a cereja do bolo, a humilhação-mor: o próprio Renan, em pura ironia e escárnio, se pronunciando sobre a absolvição classificando o ocorrido como "uma vitória da democracia".

Será que será sempre assim? Gosto de ser otimista, mas confesso que depois desse episódio ficou bastante difícil.

E quanto às próximas eleições, lembrem de, por segurança, não votar em NENHUM dos senadores que estão lá. Afinal, se não nos deixam ver quem é honesto e quem é pilantra, não temos escolha, senão julgar todos da mesma forma: cúmplices do presidente da Casa.

Será só imaginação?
Será que nada vai acontecer?
Será que é tudo isso em vão?
Será que vamos conseguir vencer?

Marcel Bittencourt
Músico

Um comentário:

Thiago F.B disse...

Bah..foi um belo texto!!!!
o Marcel conseguiu passar toda a indignação que acretido que todos nós sentimos!!!
enfim...me respondam...
o que vai ser de nós??? Brasileiros??? Da pra acreditar que algo vai melhorar em algum momento em termos de honestidade em termos de dirigentes políticos???
Honestamente...eu acho que não...
alguém discorda?
abraço..>Falooooooow.

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.