16 de mar de 2009

O videogame & eu

Começarei hoje a série sobre videogames. Nada melhor para estreá-la do que contando um pouco a minha história com os consoles. Para quem não sabe, jogo videogame há mais ou menos 24 anos (putz, estou velho...), e desde que comecei não consegui mais parar. Lembro-me de acordar cedo em alguns finais de semana da minha infância apenas para me deliciar jogando River Raid, Enduro, Seaquest e muitos outros títulos do meu Onix Junior, videogame da plataforma Atari. Mais tarde, minha mãe me deu de presente o Dynavision 2 (plataforma NES), e me recordo que ele veio com um jogo de aventura/luta em que o herói era um lutador de kung fu que tinha que salvar a namorada. Era um jogo tosco, mas pra mim era o máximo - infelizmente, não lembro do seu nome. No dia em que ganhei o presente, fiquei jogando até muito tarde, a ponto de a minha mãe ter que me tirar da sala para eu parar de jogar. Fiquei muito brabo com ela - coisa de guri: mal sabia eu que, décadas mais tarde, escreveria sobre o tal jogo me referindo a ele como "tosco".

A partir daí a minha memória fica confusa em relação à ordem dos videogames que tive, mas não em relação a quais foram: Master System (o original), Mega Drive (Mega Drive mesmo, não o Genesis), Super Nes, Playstation 1, Playstation 2 e, recentemente, Nintendo Wii. Passei a desejar muito o Mega Drive por causa do Sonic, e enchi demais o saco da minha mãe para que ela me comprasse um. É interessante que eu quase não ganhava presentes, e estava muito satisfeito com isso, visto que os que eu ganhava eram basicamente videogames e as "fitas" (ou cartuchos). Eu quase morava nas locadoras (que mais tarde praticamente desapareceriam, por conta do preço dos CDs e DVDs em relação aos cartuchos) e alugava quase todo o final de semana pelo menos uma fita.

Do Mega Drive tenho pelo menos uma história legal para lembrar: em dezembro de 1994, fraturei um osso do pé. Por conta de um erro na hora de engessá-lo, tive que amargar três meses de gesso, ou, em outras palavras, o verão inteiro. E não é que meus fiéis amigos me acompanharam em boa parte desta "jornada" infeliz, jogando comigo tardes e mais tardes do console da Sega? Recordo-me bem que os que mais jogávamos eram Fifa Soccer '94 (clássico insuperável até começarem a produzir os Winning Eleven) e um jogo de corrida com uns veículos esquisitos, cujo nome infelizmente não recordo.

Aliás, gostaria de agradecer publicamente a todos os meus companheiros de jogo, aqueles que gastaram muitas horas de suas vidas divertindo-se ao meu lado, e dizer a eles que certamente não seria o mesmo sem suas companhias. Anderson, Thiago, Duda, Marcelo e meu irmão Beto, é claro, fazem parte de uma ala seleta da minha memória, recheada de jogos, da qual eu não pretendo me desfazer nunca. Um muito obrigado a todos vocês, e amanhã tem mais videogame aqui no Moldura.

3 comentários:

Renata disse...

O joguinho de Kung Fu se chamava..."Kung Fu". =D

Eu mesmo disse...

Bá, é mesmo! :)

Thiago F.B disse...

Obrigado pelo agradecimento público tantos anos depois!!! Mas não era necessário agradecer, pq mesmo sendo verão e tals...nos divertimos pacas naquele ano!!! Não só com o Fifa mas também com Hero Quest...
Enfim...
Bons tempos e memórias ótimas!!!
Só pra citar...a última copa do mundo de Winning Eleven teve eu, anderson, duda e henrique na casa do anderson no ano passado se não to errado!!! hauhauhauha

Falooooooow.

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.