3 de abr de 2007

Páscoa e religiosidade

Vem chegando mais uma Páscoa. Como todos os anos, milhares de pessoas vão aos mercados e supermercados em busca de um peixinho para comer na Sexta-Feira Santa. Por que mesmo? Ah, porque elas são católicas. Mas seria isso resposta suficiente?

O Brasil é considerado o país com o maior número de católicos do mundo. Hum, acho que não. Dizer que é católico é fácil; difícil é fazê-lo. Isso porque, como em todas as religiões, ser católico é seguir à risca o que os seus regulamentos mandam e ponto final. Sem discussão. Afinal, ter fé é "crer sem ter visto", não é mesmo?

Portanto, seguindo essa lógica, o católico "roots" - e o único a ter o direito de dizer "sou católico" - não poderia transar antes do casamento, devendo só fazê-lo com o objetivo da procriação, além de não usar métodos anti-concepcionais. Isso só para usar alguns exemplos do que o Papa (a entidade máxima do catolicismo) prega quase todos os dias.

"Ah tá, então eu não posso fazer mais nada?" Infelizmente, para ser um católico mesmo, você só pode fazer o que a sua religião permite. É por isso que todo mundo folga nos carolas, naqueles evangélicos que não têm televisão em casa, no judeu esteriotipado... Quando na verdade, religiosamente falando, quem deveria ser motivo de chacota são as pessoas que se dizem de uma religião mas não fazem nada - ou quase nada - do que ela prega. E esse é exatamente o caso do brasileiro. Quantas pessoas eu conheço que são "católicos não-praticantes"?

Mas e o jejum, o que tem a ver com isso? É que o jejum é o jeito mais fácil de mostrar respeito a Jesus, ao catolicismo, a sua fé, ou qualquer outra coisa do gênero. E só precisa fazer uma vez por ano, além de render um peixinho que alguém da família faz que é uma beleza...

Em tempo: nem isso é "catolicamente" correto. Há muito tempo atrás, o jejum (que serve para honrar os quarenta dias em que Jesus ficou sem comer no deserto) significava não comer nada mesmo. Ao longo do tempo isso foi mudando até o jeito que é hoje, quando "a Igreja pede jejum e abstinência de carne na Sexta-Feira Santa e na Quarta-Feira de Cinzas". Veja bem, temos duas coisinhas delicadas aí: em primeiro lugar, o jejum e a abstinência de carne são em dois dias, não apenas em um; em segundo, jejum e abstinência de carne são coisas diferentes. Jejuar consiste em tomar uma só refeição diária completa, na hora de costume: pela manhã, ao meio-dia ou à tarde, com duas refeições leves no restante do dia. Além disso, há a abstinência da carne, que deve ser seguida também de algo que a gente tem o hábito diário de consumir. Isso porque "Praticar a abstinência é privar-se de algo, não só de carne. Por exemplo, se temos o hábito diário de assistir televisão, fumar, etc, vale o sacrifício de abster-se destes itens nesses dias."

Então, não me venha com católico não-praticante. Quer comer peixe, coma. Mas arrume outra desculpa da próxima vez, ou pare de transar e vá fazer filhos.

6 comentários:

Thiago F.B disse...

Simplesmente perfeito o texto...
e não tenho nenhuma palavra pra acrescentar...
Abraço...
Falooooooooooooooow.

Kleiton disse...

Cara, acho q o catolicismo é uma das religiões mais populares do mundo porque é das mais "flexíveis". É FÁCIL ser católico, já que a cobrança sobre o jejum, o sexo pré-matrimonial ou os métodos anti-concepcionais é pequena.

Tenta desrespeitar as tradições numa família ortodoxa judia ou islâmica: deserdado, no mínimo.

Rodrigo Cardia disse...

Eu não sou católico, mas minha vó é. Como ela vai fazer camarão na sexta-feira, e eu gosto de camarão, então comerei. Mas eu não deixaria de comer um bom churrasco!

Murilo disse...

Cara, tu nem deve saber, mas eu não me considero católico por causa de uma conversa que nós tivemos em Flores da Cunha, na qual tu e o Angelo diziam que eu não era católico "roots". E um tempo depois eu tive de concordar. Eu não sou religioso. Apesar de algumas crenças, não pertenço a religião alguma.
Abraço!

Leandro Corrêa disse...

"Católico root", ehehe! Ótimo termo...

luciano disse...

m.b.
principalmente qualdo fala do peixinho. Os pinta não comem carne vermelha, mas se empantufam com filézinho de peixe...
Mas discordo quanto ao conceito de "Católico roots", já que o "ser católico" não é unicamente uma criação instituicional, mas uma construição feita também pelos indivíduos q aderem ao movimento.
abraço

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.